PAULISTA: POR TUDO O QUE LHE É SAGRADO, SALVE SÃO PAULO…

Tarcisio de Freitas, então ministro da infraestrutura de Bolsonaro em 2021, havia dito ao seu chefe que queria ser senador por Goiás ou até mesmo Mato Grosso, quase ao fim daquele ano. Dois estados do centro-oeste brasileiro, com enormes diferenças entre si. Só para dar ideia, Mato Grosso é o terceiro maior estado da federação, três vezes maior que Goiás. As diferenças culturais, regionais, de produção agrícola primaria, tudo… Tudo é diferente. Mas o candidato do “Republicanos” escolhia, como quem compra um novo sapato, onde queria concorrer como senador, cargo que representa os interesses de um estado diante da União, no Senado Federal. Esse é o grau de compromisso de Tarcísio com os locais que ele pretende representar, dirigir, governar…

Meses depois, para desgraça do povo paulista – que não consegue ver o pote de veneno em cima do piano e não beber – a Barbárie em forma de presidente decidiu que seu ministro deveria, isto sim, concorrer para governador no estado de São Paulo. Tarcísio, bom subalterno que é, aceitou as ordens do “líder supremo”. Inventou um contrato de aluguel, colocou o sobrinho pra viver dentro e, como num passe de mágica, passou a saber exatamente do que São Paulo precisava… E o povo paulista concordou…, mas eu já volto aqui.

Eu tenho 36 anos. Portanto, posso dizer que faz 20 anos que me interesso por política, desde que meu professor de história, Edson, pediu que nós considerássemos nos alistar como eleitores facultativos. A primeira reação, como a de qualquer colega normal e da mesma idade, foi “por que eu quero essa bucha?”. Rimos. E a maior parte ignorou o pedido do velho mestre.

Eu não me alistei eleitoralmente naquele ano. Esperei os 18 e a obrigatoriedade. Mas, durante uns dois meses antes da eleição daquele ano de 2002, eu fiquei pensando em quem eu poderia querer ver eleito. Dali pra frente, eu passei a ler sobre política. Não com qualidade, tampouco com volume, mas iniciava-se em mim um interesse que não existia antes.

Desde aquele tempo, não votar no Partido dos Trabalhadores (PT) era uma convicção passada de pai para filho em minha família. Meu avô, funcionário fabril da região do ABC paulista, aposentado por invalidez, contava sempre sobre como Lula fazia piquetes nas fábricas de São Bernardo do Campo, já mancomunado com o patronato da região para justificar demissões em massa que ocorreriam a seguir. Assim, Lula era o lobo em pele de cordeiro. O sindicalista que brigava pela classe trabalhadora no palanque era, na verdade, um aliado dos patrões contra o coitado do assalariado. Essa história me foi repetida outras várias vezes, tanto pelo meu avô, quanto por meu pai ou pelos meus tios. E eu cresci com um ódio típico das torcidas de futebol, crente de que Lula e o PT eram “o Mal encarnado”.

No entanto, crescer em um ambiente como uma escola técnica da rede Paula Souza, que te faz passar por um vestibulinho, te expõe a gente mais inteligente que a média (não precisa ser muito mais inteligente; basta ser um pouco mais) e de todos os matizes: à direita, à esquerda, ao centro… Não demorou muito e fui cobrado a ler as diretrizes do PT, enquanto partido político. A famosa “carta de princípios”, de 1979. Dali para frente, eu comecei a contextualizar o PT dentro da dimensão política da discussão e não mais como um terrível vilão de história em quadrinhos. Os sentimentos clubistas, típicos da paixão juvenil, começaram a se esvaziar ao longo dos anos. Não, eu não me tornei simpático ao PT. Na verdade, depois de conhecer a carta de princípios, eu comecei a entender o que o Partido queria para o Brasil e no que eu não conseguia concordar com eles.

Por exemplo: a utopia “do fim da exploração do homem pelo homem”, um flerte a outras utopias mais antigas e que, a história mostra, não conseguem sobreviver ao contato com a realidade. Por outro lado, para todos aqueles que se desesperam em afirmar um “compromisso ditatorial” por parte do Partido de Lula, falta leitura da carta (ou caráter em quem afirma) onde se lê, com clareza: “O PT afirma seu compromisso com a democracia plena, exercida diretamente pelas massas, pois não há socialismo sem democracia nem democracia sem socialismo.”. E você pode dizer “é só uma carta”, ao que respondo “assim como a escritura da sua casa, ou a Constituição de 1988”. Sim… Tudo é só papel. Honrá-lo(s) depende de quem acredita nele(s).

Não, eu não passei a gostar do PT. Eu sempre critiquei o PT (inclusive, nos textos mais antigos, ainda no Facebook). Eu nunca votei no PT.

Até 2018.

Em 2018, o povo brasileiro me deu a opção de votar em um professor universitário, graduado em direito, pós-graduado em economia e, depois, pós-graduado em filosofia. Do outro lado, um retardado em ideias políticas, ex-militar preso pelo Exército após ter (supostamente) criado planos para explodir unidades da Força Armada como ameaça por melhores salários e que, descaradamente, não elogiava os presidentes da Ditadura (o que seria ofensa menor) mas, sim, o torturador dos porões. Ou seja: sua indecência já era uma certeza quando da eleição em 2018. Naquele ano, não existia nada mais racional na mesa além de votar “13” no pleito presidencial. E foi como eu fiz.

E Haddad perdeu. E cá estamos nós, quatro anos depois: um país destruído, rachado entre bolsonaristas e o resto (que acredita que a democracia vale algo maior que as convicções políticas de cada um), quebrado emocional e economicamente [o estrago econômico de uma eleição financeiramente manipulada começa na segunda que vem, pós eleição, anotem aí] …

E resta a escolha entre o desastre de mais quatro anos de delapidação, mais acelerada com um Congresso que favorece o piadista sobre gente sufocando ou um sofrido reinício das instituições democráticas, o que se decidirá no próximo domingo. Mas eu não vim aqui falar do Brasil. Não. Eu vim aqui implorar a você, paulista, que não destrua o estado de São Paulo no próximo dia 30 de outubro. Sim, eu vim implorar.

Se você não pode votar em Haddad, por qualquer motivação; emocional, racional, espiritual […], tudo que lhe peço – e só peço, porque não se pode exigir tal coisa e seguir falando em democracia – é que não vote no opositor-paraquedista. Anule, vote em branco, mas não fortaleça uma candidatura que COM CERTEZA destruíra o estado mais rico e mais desenvolvido da federação brasileira, ao longo de quatro anos, rifando instituições para grupos políticos que só tem uma missão: esvaziar os cofres a que tem acesso. E os cofres de SP, como eu disse, são os mais cheios.

Votar no candidato do “Republicanos” ao governo de SP, tentando atingir o PT, ou Haddad, equivale a você tomar veneno esperando que seus desafetos morram. Não vai funcionar e vai acabar pior para você.

Eu sustento, sem qualquer medo de estar equivocado, que Haddad é o político mais bem preparado de sua geração nos quadros do Partido dos Trabalhadores. Haddad tem inúmeras conquistas e, sim, algumas derrapadas na gestão que fez à frente da capital paulista, mas, veja: essas derrapadas foram do tipo que só sofre quem tenta mudar alguma coisa que não vai bem. Haddad, antes de prefeito de SP, foi um competente ministro da educação por dois mandatos, sendo autor de um programa que formou milhares de brasileiros na educação superior, que é o ProUni. Que se faça justiça, a ideia começou com sua esposa, como ele sempre gosta de destacar.

Haddad tem diversas premiações: MobiPrize 2014 (Universidade de Michigan), 10ª edição do Sustainable Transport Award, Prêmio Rainha Letizia (Espanha) de Acessibilidade, Prêmio a Hora do Planeta 2015 (WWF), Prêmio Mayors Challenge 2016 em Agricultura. Seu plano diretor ganhou um prêmio da ONU no concurso de Melhores Práticas Inovadoras da Nova Agenda Urbana… Enfim, Haddad conquistou prêmios de diversas organizações internacionais, e isso se deu com projetos que, sim, causaram transtornos, porque é impossível resolver a cidade de São Paulo e seu crescimento absolutamente caótico e impensado, sem incomodar alguma parte da população. E sim, ele cometeu erros. Ciclofaixas que ligavam nada a lugar nenhum, ou controles de velocidade que não faziam sentido com o tipo de malha viária construída. Sim, isso tudo está lá em sua história e não deve ser varrido para debaixo do tapete. Porque: a) não foi crime. b) ele tentou algo e não deu certo. Deveríamos punir quem tenta solucionar problemas históricos com algo novo? Eu penso que não. Basta que o candidato tenha a humildade de voltar atrás e desistir do que não deu certo, mas seguir tentando coisas novas.

E não são ideias estapafúrdias. Se fossem, teriam sido totalmente varridas do mapa. Os corredores de ônibus continuam aí. A maior parte das ciclofaixas, também. O bilhete único de Marta Suplicy (então, PT) também. Logo, não é possível que tudo isso seja terrível e tenha seguido em vigor. Caso contrário, só resta entender que o político seguinte foi tão ruim quanto o oponente derrotado. Ou, que o povo paulistano (no caso da prefeitura da capital) tem a péssima capacidade de escolher “oponentes iguais”.

Tarcísio não sabe onde vota. Tarcísio não conhece o estado, suas regiões, seus dramas. Tarcísio mal sabe que para ser senador do Mato Grosso ou de Goiás, teria que defender prioridades completamente distintas. E, mesmo assim, com apenas seis meses de aluguel em um imóvel ocupado por seu sobrinho, e não por ele, Tarcísio está “pronto” para ser governador de São Paulo. O estado mais rico e desenvolvido da nação, repito.

Não se trata de ser carioca (embora, sim, me dê calafrios ouvir ele dizendo que vai “trazer as ideias boas da segurança pública do Rio” para São Paulo – Meu Deus do céu…). Por mim, ele poderia ser argentino naturalizado brasileiro. CONTANTO… Que tivesse morado em São Paulo (no estado) tempo o suficiente para saber o que vai bem e o que vai mal nesse lugar. Ele não sabe. O plano de governo dele não é dele. Como poderia? Ele não sabe nada de São Paulo. Nada.

Sua visita a Paraisópolis é nada mais do que o puro suco do bolsonarismo e uma amostra do tipo de gente perigosa, mentirosa e disposta A TUDO que São Paulo cogita pôr no governo do estado, por longos quatro anos. O “atentado” que não foi atendado. Os agentes da ABIN que não protegem nenhum outro candidato, além de Tarcísio. O comitê de campanha do candidato do “Republicanos” que demanda da Jovem Klan – ato falho, perdão, mas se aquilo é jornalismo, eu sou lindo, alto e magro – que seu cinegrafista apague os vídeos que gravou. O que querem esconder?

Depois, passou a falar por aí que ia “mexer na maioridade” [penal]. Explica, nas linhas miúdas, que vai sugerir isso ao Congresso, mas na hora da campanha, grita isso aos quatro ventos como se coubesse ao governador decidir a maioridade (aviso: NÃO CABE).

E, por vingança, um esmagador número de paulistas está prestes a condenar o meu estado a quatro anos de destruição da coisa pública. Para se vingar do PT. Para se vingar do político mais competente e preparado – na minha opinião, bem mais [tecnicamente] preparado que o atual candidato à presidência – que aquele partido detém. Por vingança. O veneno que tomaremos todos juntos, no próximo dia 30, na torcida de que o outro morra. Ainda dá tempo de não tomar. Ainda dá tempo de ter quatro anos de uma tentativa de vencer problemas e desafios crônicos de um estado rico, mas desigual. Desenvolvido, mas sucateado ao longo de vários anos.

Eu, honesta e sinceramente, já não tenho muita esperança diante de tanto ódio cego em que esta eleição se converteu. Tudo o que posso fazer, no entanto, é vir aqui e expor as razões que tenho para que você não destrua o lugar em que mora. Recomendo ver os doadores da campanha de Tarcísio para descobrir que eles são parte das famílias mais ricas de SP e que, logo, não estão fadados a viver aqui se tudo der errado com seu experimento em forma de aventureiro. Eu e você, no entanto, temos poucas chances de jogar tudo pro alto e sair daqui caso a experiência com o candidato-paraquedista dê errado.

Começa, agora, o debate entre os candidatos à governador de São Paulo na Rede Globo de televisão.
Assista. Mas, assista com o cérebro ligado, por favor. Remova o clubismo do antiptismo de seus olhos, só por um par de horas; é tudo que lhe peço. Veja quem conhece o estado de São Paulo e seus problemas, e quem queria ser senador do centro-oeste até o fim de 2021, em dois estados totalmente diferentes entre si, mas “acabou” candidato a governador de São Paulo como quem sai para comprar pão e volta com uma bicicleta.

Por favor. Eu lhe imploro: Não tome veneno. Por mim. Por você. Por todos nós. Por São Paulo que eu e você amamos.


Atualização: VEJA esse vídeo. É o resumo de tudo: https://twitter.com/hereisgone/status/1585761731229327360?t=XhkkvLE2AQAYxCLsDFMtfQ&s=19

https://www.jornalopcao.com.br/bastidores/ministro-tarcisio-de-freitas-deve-ser-candidato-a-senador-por-goias-358193/

https://pt.org.br/carta-de-principios-do-partido-dos-trabalhadores/

https://congressoemfoco.uol.com.br/area/pais/suspeita-de-armacao-em-tiroteio-eleva-pressao-sobre-tarcisio-de-freitas/

2 comentários sobre “PAULISTA: POR TUDO O QUE LHE É SAGRADO, SALVE SÃO PAULO…

  1. Concordo meu caro! Em gênero, número e grau!! Não compactuamos em casa com essa loucura genocida de desgoverno atual, também não somos tão simpatizantes assim do PT, mas é preciso encarar a realidade sem cegueira e separar bem o joio do trigo, exatamente como expos aqui 🙌🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻

    Curtir

Comente!

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s